santos-populares

Em junho, as cidades portuguesas transformam-se.  Os vasos de manjericos com quadras populares dão um aroma e um colorido especial às ruas enfeitadas com grinaldas. Os vizinhos cumprimentam-se com abraços e beijos sentidos, partilham a rua e convidam para a mesa – porque nos Santos Populares e numa casa portuguesa há sempre espaço para mais um.

O fumo e o cheiro das sardinhas assadas guiam-nos por entre festas e arraiais, ruas e ruelas apertadas, de norte a sul, em fins de tarde que se prolongam pela noite dentro, onde o tempo não tem lugar e onde a música popular se senta à mesa com a sardinha à cabeceira, que dita as regras do banquete. É a mais pura festa portuguesa cantada em bailaricos pela sardinha num concentrado de animação e sabor que nos liga ao mar e às nossas raízes e que nos torna únicos no mundo inteiro. É Portugal!

Nobre e popular, a sardinha manda que se coma tradicionalmente em cima de uma generosa fatia de broa, para que não se perca um pingo que seja desse sabor autêntico absorvido, que vicia. E esse pão que os portugueses adoram e que adora os portugueses, entre a crocância da côdea e a suavidade do miolo, é avivado pelo sabor do carrossel de sucessivas sardinhas que lhe vão passando por cima, criando no final uma experiência tão intensa e deliciosa quanto visceralmente portuguesa! O prato só faz falta aos mais incautos cuja falta de destreza, treino ou resistência intelectual os impede de saborear e explorar a sardinha como ela pede e merece.

Para lá do Verão, a experiência prolonga-se, igualmente intensa e deliciosa, com as conservas da Comur durante todo o ano. Numa homenagem à festa portuguesa dos Santos Populares e à sua rainha, naturalmente, a Comur oferece o pack 4 receitas de sua majestade: sardinhas assadas com pimentos – tão português!; sardinhas fumadas com picante – para quem aprecia a subtileza do fumado intensificado pelo toque do piri-piri; sardinhas alimadas – a acidez do limão num equilíbrio sublimado pela gordura saudável da sardinha; e sardinhas com tomate –  o molho das memórias da casa das nossas avós. E em qualquer uma destas quatro opções, e em qualquer momento, uma certeza: uma recompensa enorme, um consolo físico e espiritual. Haverá combinação mais perfeita?

No Santo António enfeitado
Há cravos e manjericos
Sardinhas de cheiros encantados
Para os pobres e para os ricos.

A treze temos Santo António
A vinte e quatro S. João
A vinte e nove S. Pedro
E recebemo-los com grande emoção.

Há festa em Portugal
São os Santos Populares
Da sardinha ao manjerico
Os cheiros andam pelos ares.

Share on facebook
Share on linkedin

Produtos Relacionados

Receitas Relacionadas